Este trabalho de Carla Lopes Rodriguez analisa o movimento de apropriação dasTecnologias de Informação e Comunicação (TIC) por um grupo de pessoas adultas escolarizadas, os Agentes Comunitários de Saúde (ACS) do Município de Pedreira-SP. Como TIC foram considerados o computador e seus periféricos, software aplicativos, recursos disponíveis na Internet e ferramentas do ambiente de EAD TelEduc. Trata-se de uma pesquisa de natureza qualitativa, onde a metodologia que melhor se adequou foi a da pesquisa-ação. O trabalho com os ACS teve a duração de 1 (um) ano com encontros presenciais e a distância via Internet. Utilizou-se para coleta de dados os instrumentos: entrevista, observação participante e diário de campo que permitiram documentar toda a dinâmica evolução do processo de apropriação dos aprendizes. As atividades de capacitação foram realizadas no contexto de trabalho dos ACS que se configurou um espaço de aprendizagem em serviço para utilização das TIC disponíveis. Os aprendizes vivenciaram situações que os levavam a refletir e incorporar os conhecimentos tecnológicos adquiridos por eles ao seu cotidiano. De forma geral, o que pudemos apreender com os dados desta pesquisa foi que somente disponibilizar recursos tecnológicos não foi suficiente para que os aprendizes se apropriassem deles. Muitos fatores interferiram no movimento de apropriação individual e do grupo, sendo necessária uma gama de estratégias políticas, educacionais e metodológicas. Mais importante do que proporcionar acesso às TIC, esse trabalho mostra que para que a apropriação tecnológica ocorresse foi necessário prover acesso ao conhecimento, à expertise e à educação dos ACS.

>> Íntegra do texto