Pensando a Comunicação Comunitária

As disciplinas Comunicação Comunitária 1 e 2, que integram o Projeto de Extensão de Ação Contínua Comunicação Comunitária (FAC-UnB), têm por missão este compromisso sempre implícito à extensão: promover a troca de conhecimentos em prol das justas transformações sociais.

A tríade ensino, pesquisa e extensão constitui o elo indispensável entre os diversos atores sociais e legitima o caráter público da universidade. Ao voltar-se para a comunidade, a academia oferece tanto quanto recebe e contribui para o desenvolvimento de ações comunitárias pertinentes.
A função primeira da universidade é promover o conhecimento para o benefício da sociedade como um todo. A imagem do cientista isolado em um ambiente asséptico, absolutamente distante das reais necessidades humanas, já não corresponde à idéia que fazemos hoje da ciência. Cada vez mais, os saberes formais e populares se aproximam com o objetivo de favorecer o progresso coletivo.


A Universidade e a Comunidade


No desenvolvimento da competência comunicativa, os indivíduos agregam novos elementos à sua visão de mundo, como o entendimento das relações sociais e das estruturas de poder. Desenvolvem, assim, uma leitura crítica dos meios de comunicação de massa convencionais e tornam-se mais capazes do exercício de cidadania.
A idéia de Comunicação Comunitária se refere justamente ao uso dos meios de comunicação pelas comunidades. Na produção de conteúdo mediático, as comunidades encontram a oportunidade ideal para a discussão de idéias, para a integração e o convívio social, assim como para a difusão de seus elementos socioculturais.
Comunicar é uma atitude de todas e todos. Das conversas de vizinhança até o uso de programas de bate-papo pela internet, estamos trocando idéias e formando opiniões. Não é à toa que quando alguém imposta a voz e sabe falar em público, logo é considerado como comunicativo. Indivíduos, grupos de amigos, bandas locais, rádios livres e comunitárias – a comunidade em si – estão sempre buscando caminhos para se expressar. Logo, Comunicação não é apenas algo que o mercado nos vende. Alternativas simples como a veiculação de zines ou de uma Rádio Web aumentam a participação das pessoas em atitudes diretas que ajudam a defender a Comunicação como um direito de todos.
A comunicação é o elemento agregador das sociedades – tem o poder de unir, criar fortalecer e de capacitar os indivíduos para que fiscalizem as ações públicas e privadas.

Última modificação em Sábado, 05 Novembro 2011 02:37
voltar ao topo